Acompanhar a população do inseto garante controle mais efetivo.

Para acompanhar a evolução da população de percevejos e definir a hora de efetuar o controle, as amostragens do inseto devem ser feitas com um pano-de-batida.

O Gerente de Produtos, da ADAMA, Fabrício Pacheco lista abaixo as principais recomendações para que o agricultor seja mais certeiro em suas ações de controle:  

Estendendo o pano entre duas fileiras de soja, bate-se de maneira a sacudir bem as plantas, fazendo com que os percevejos caiam sobre o pano para serem contados.

A vistoria na lavoura deve ser executada, no mínimo, uma vez por semana nas primeiras horas do dia, a partir do início do desenvolvimento de vagens – R3 (fase de “canivetinho”) até a maturação fisiológica – R7. 

Diferente das lagartas, que provocam desfolha quando atacam, os danos causados pelos percevejos só são percebidos, muitas vezes, na colheita. 

Se a população de percevejos persistir e estiver com dois insetos (adultos + ninfas) por metro de fileira de plantas, é necessário realizar o controle químico. A partir da fase de canivetinho, o acompanhamento da população dos percevejos com monitoramento semanal é fundamental e evitará prejuízos mais adiante. 

 

publicado
Categorizado como Sem categoria

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *