Home Sem categoria Gigantes da carne do Brasil estão prontos para cobrir déficits americanos.

Gigantes da carne do Brasil estão prontos para cobrir déficits americanos.

0

Em meio a uma série de paralisações de matadouros nos EUA relacionadas à pandemia de coronavírus, o diretor financeiro da JBS disse que sua empresa pode aumentar as exportações da Austrália e tem capacidade ociosa no Brasil para remessas de carne bovina para os EUA.

“Nossa diversificação geográfica tem sido um hedge natural para barreiras comerciais e questões sanitárias”, disse o CFO Guilherme Cavalcanti em um webinar patrocinado pela Genial Investimentos. “Agora, essa flexibilidade funcionou como um hedge de suprimento para a atual crise.”

A Minerva SA , maior exportadora de carne bovina da América do Sul, também está pronta para atender às necessidades dos EUA de oito fábricas no Brasil, Argentina e Uruguai, de acordo com o CFO Edison Ticle. As vendas da empresa para os EUA aumentam desde o início de abril, quando as perspectivas para o fornecimento de carne no país começaram a se deteriorar, disse ele.

“Os EUA se tornaram um cliente importante”, disse Ticle em entrevista.

Na segunda-feira, o CEO da Marfrig Global Foods SA, outra gigante brasileira de carnes, disse que a demanda dos EUA por carne bovina sul-americana se intensificou em meio ao fechamento de fábricas devido ao surto de coronavírus. A Marfrig também pode enviar carne para os EUA dos três países sul-americanos.

Os EUA reabriram o mercado para a carne fresca do Brasil em fevereiro, depois de suspender as compras em 2017 por questões de segurança. Com a reabertura, o Brasil pode exportar para os EUA cerca de 60.000 toneladas por ano em uma cota de importação livre de tarifas compartilhada com outros países, segundo Ticle. Os embarques que excederem a cota devem pagar uma tarifa de 26%, que ainda pode ser lucrativa, considerando os atuais diferenciais de preços, disse Ticle. Argentina e Uruguai têm sua própria cota no mercado de carne bovina dos EUA.

Na terça-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, entrou na briga pelos alimentos . Ele planeja usar uma lei federal para ordenar que as empresas permaneçam abertas como infraestrutura crítica, e o governo fornecerá equipamentos de proteção adicionais para os funcionários, além de orientações. Pelo menos 22 frigoríficos fecharam nos últimos dois meses, reduzindo a capacidade de processamento de suínos em 25% e a carne bovina em 10%, afirma um sindicato de trabalhadores da alimentação.

A JBS, com sede em São Paulo, opera em 15 países. Uma unidade de carne bovina e uma subsidiária de suínos nos EUA fecharam por causa do vírus. Os estoques de carne bovina nos EUA são suficientes apenas para fornecer 15 dias de consumo, disse Cavalcanti.

A JBS também produz aves. “Estamos bem posicionados” para lidar com qualquer mudança na demanda por carne suína, bovina ou de frango, disse Cavalcanti.

Para as empresas de carne brasileiras, o comício causado pela peste suína africana parece estar de volta. As ações da JBS subiram 18% este mês, enquanto as ações da Marfrig subiram 42% e as ações da Minerva subiram 50%.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here